Header Ads

Notícias de Última Hora

Wilker Barreto fiscaliza Pronto-Socorro Joãozinho e constata revolta das famílias

O caos na saúde foi novamente pauta do deputado estadual Wilker Barreto (PHS). Na tarde da última sexta-feira (19), mesmo no recesso parlamentar, o líder da minoria na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) foi conferir de perto o atendimento no Pronto-Socorro Infantil da Zona Leste, o Joãozinho, localizado na Av. Cosme Ferreira, Coroado.

O parlamentar seguiu para a unidade após receber denúncias de enfermeiros, bem como de mães de pacientes, e ver os vídeos disseminados nas redes sociais anunciando a falta de enfermeiros. Por conta do Governo do Amazonas encerrar o contrato com a Sociedade dos Enfermeiros de Urgência e Emergência do Amazonas (Coopenure), substituindo os trabalhadores sem aviso prévio pela empresa de Serviços de Enfermagem e Gestão em Saúde (Segeam), a unidade recebeu os novos funcionários sem o total conhecimento da operacionalização da unidade.

“O que fizeram hoje foi praticamente dar um calote em mais de 300 enfermeiros que atuavam na Coopenure, pois há quatro meses eles não recebiam e foram trocados por outra empresa. Essas pessoas são mães e pais de família. O que esses profissionais questionam, incluindo a presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Amazonas (Cremam), Dra. Patrícia Sicchar, é que essa gestão está adotando empresas sem corpo clínico e quadro operacional, através de licitação, para as unidades de saúde. E isso está causando transtornos nas unidades”, comentou Wilker.

O deputado ainda frisou que obteve as cópias da folha de frequência dos atuais enfermeiros do hospital e vai encaminhar para o Cremam, que irá avaliar o novo corpo clínico.

Na ocasião, o parlamentar ainda conversou com algumas mães e pais que estavam com seus filhos enfermos no hospital. Os relatos foram de desespero e angústia. “Cheguei hoje no Joãozinho e me deparei com uma mãe desesperada, pois estava com o filho desde três horas da manhã e não tinha sido atendida até às 13 horas da tarde. Isso é um absurdo e eles só se movimentam quando a gente enfrenta. A outra mãe estava totalmente desanimada, pois há dois meses está com o seu filho no corredor da unidade. Ela dorme numa cadeira de plástico ao lado e o bebê fica naquele cantinho pequeno, onde todo mundo passa, com mais outras 15 crianças na mesma situação”, relatou.

A mãe que o deputado relata trata-se de Sabrina Costa que, próximo do filho completar um ano de idade, vive a agonia de combater uma doença chamada Fístula, patologia causada pela conexão entre um órgão ou de um vaso sanguíneo com outra estrutura que normalmente não estão conectados. “Estou há seis meses para lá e para cá. Trazia ele aqui e nunca era diagnosticado de forma correta. Agora, já estou há dois meses com ele nesse corredor e para ficar com ele o tempo todo, fico dia e noite nessa cadeira de plástico. Ainda aguardo uma operação para ele, que ninguém passa previsão”, relatou.
Comissão de Saúde
Com apenas dois consultórios em funcionamento para atender as crianças que chegavam no Joãozinho na manhã e início de tarde de sexta-feira (19), Wilker Barreto vai enviar à Comissão de Saúde um relatório informando as condições do hospital e sugerindo melhorias. Assim, espera que a gestão possa atender com urgência as necessidades da população.

“Em meio ao caos, o Governo envia um memorando emitido pela Susam aos diretores de unidades ordenando a redução de 25% de todos os serviços. Logo, não tem como as coisas não piorarem. Por isso, é importante a Comissão de Saúde da Aleam atuar e eu, como membro titular, irei fiscalizar e ir aos órgãos necessários para cobrar deste Governo mais realidade e menos propaganda”, disse.
Foto: Wilkinson Cardoso/Aleam

Nenhum comentário