Header Ads

Notícias de Última Hora

Em Brasília, secretário da Susam discute compra consorciada de medicamentos


Compras por meio do Consórcio Interestadual da Amazônia, anunciada por Wilson Lima, vão gerar economia para o Estado

O secretário estadual de Saúde (Susam), Rodrigo Tobias, participa de reuniões, nesta quarta-feira (29/01), em Brasília, para definir a modalidade de compra coletiva de 15 medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf) para os Estados que compõem o Consórcio Interestadual da Amazônia Legal.

A participação do Amazonas na compra de medicamentos por meio de consórcio interestadual foi anunciada pelo governador Wilson Lima durante o 18ª Fórum de Governadores da Amazônia Legal, em agosto de 2019, em Palmas (TO).  O consórcio foi criado com o objetivo de desenvolver os nove estados que compõem a Amazônia Legal, além de ampliar a competitividade e sustentabilidade com programas e projetos considerando os aspectos comuns entre eles.

“Estamos avançando neste trabalho de cooperação e, no caso dos medicamentos, vamos aumentar a escala de compra e ter uma economia que pode chegar a 30% inicialmente. As equipes técnicas dos estados membros do consórcio já estão trabalhando nisso, elencando itens que são prioritários e que vamos comprar no mercado com um preço mais em conta”, disse Wilson Lima.

O secretário de Saúde, Rodrigo Tobias, afirma que desde agosto muitos avanços aconteceram e agora se chega a etapa mais importante que é a definição do modelo de compra. “As reuniões de agora têm esse objetivo de como organizar, quais são os processos e os procedimentos dessa compra para que esses medicamentos cheguem a todos os Estados e façam a distribuição devida”, disse o secretário.

A primeira reunião será para discutir a modalidade de compra centralizada com representantes do Consórcio Brasil Central (BrC), que realizam esse processo de elaboração de Ata de Registro de Preço diretamente e já alcançaram uma economia de 30%.

“A modalidade centralizada pressupõe pegar todo o arcabouço jurídico organizativo do consórcio que já existe, que tem um conselho deliberativo, tem um conselho diretor, tem um setor de compras e ele que tem uma autonomia possa, então, fazer a compra desses medicamentos em nome de todos os Estados da Região Amazônica”, explicou Rodrigo Tobias.


Dentre as vantagens da compra centralizada, segundo o relatório técnico da Coordenação de Assistência Farmacêutica da Susam, estão prazo de entrega de 20 dias; o uso da estrutura administrativa e de pessoal do próprio consórcio para organização de todo o processo licitatório; maior garantia de pagamento ao fornecedor; além de aplicação de punições ao fornecedor seguindo uma única diretriz.

De acordo com o secretário de saúde, a segunda alternativa é a modalidade compartilhada, utilizada pelo Consórcio Nordeste, na qual é realizada uma ata de registro de preço por apenas um Estado e a partir da anuência legislativa dos demais é feita a adesão e a compra é efetuada por todas as unidades federativas que compõem o consórcio.

Na modalidade compartilhada, o prazo de entrega em cada local são de 30 dias, há a possibilidade de economia em escala e os critérios de pagamento aos fornecedores seguem a lógica já aplicada atualmente em cada Estado consorciado, conforme o relatório técnico da Coordenação de Assistência Farmacêutica da Susam.

O secretário destaca que a segunda reunião, em Brasília, será com o Consórcio Interestadual da Amazônia Legal, para decidir qual dos dois modelos será adotado para a aquisição dos medicamentos.


Fotos: Diego Peres/Secom

Nenhum comentário