Header Ads

Notícias de Última Hora

Roberto Cidade propõe técnicas da Justiça Restaurativa nas escolas públicas do AM


Casos de briga de alunos com colegas, desrespeito de professores com funcionários, ofensas de pais a diretores, entre outros são casos de violência, seja física, verbal ou psicológica, comuns nas escolas públicas e privadas do Brasil e do Amazonas.

Em 2018, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM), divulgou que 902 pessoas sofreram bullying nas escolas da rede pública. Diante desse cenário, o deputado Roberto Cidade (PV) apresentou o Projeto de Lei (PL), N. 20/2020, que pretende implantar técnicas da Justiça Restaurativa para solucionar esses conflitos no ambiente escolar.

Para o autor da propositura, com o uso das técnicas da justiça restaurativa, será possível resolver situações no próprio ambiente escolar de maneira simples, com criatividade e sensibilidade, evitando assim, transtornos como sanções e processos na justiça.

“Nós queremos propiciar um ambiente de diálogo para resolver certos conflitos no ambiente escolar. Teremos assim, uma escola preparada para lidar com situações como o bullying e desentendimentos entre professores e alunos, e conseguir resultados positivos, como já acontecem em outros estados”, defendeu.

A Justiça Restaurativa baseia-se na Resolução 225, de 31 de maio de 2016, do Conselho Nacional de Justiça – CNJ, para a solução dos conflitos ocorridos dentro do ambiente escolar.

O artigo ‪2º do PL‬ descreve os procedimentos restaurativos, entre eles, que a escola deverá capacitar os colaboradores para lidar com os conflitos. Como diz o item 4 “capacitar colaboradores nas escolas para que implementem as práticas restaurativas na resolução de conflitos, atuando em parceria com alunos protagonistas, família, instituições e organizações não governamentais da sua rede de apoio e outros atores presentes na comunidade;”

Ainda segundo o projeto , a escola, através do Núcleo de Práticas Restaurativas, formadas por professores, funcionários, pais e pessoas da comunidade, todos de forma voluntária, deverá promover atividades preventivas por meio de palestras, orientações e informações sobre direito e deveres a pais e alunos, bem como, apresentar mecanismos e ferramentas com as quais, possam solucionar os conflitos pacificamente. Todas as práticas serão realizadas na escola e com os devidos registros e com a necessária autorização dos pais ou responsável legal.

“O ambiente escolar deve ser um lugar agradável. Queremos que tanto os alunos, como funcionários, pais e a comunidade se sintam seguros num ambiente escolar saudável. E somente através do diálogo, da maneira de tratar o outro que vamos conseguir diminuir os índices de registros de ocorrência escolar”, disse Cidade.

A propositura encontra-se na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), da Assembleia Legislativa do Amazonas, sob a relatoria da deputada Joana Darc (PL).


Foto: Evandro Seixas/Aleam

Nenhum comentário