Header Ads

Notícias de Última Hora

Com mais 51 novos casos de Covid-19 registrados, Wilson Lima proíbe transporte de passageiros e fechamento de comércio não-essencial


O governador Wilson Lima assinou decreto proibindo a partir de segunda-feira (6/4) o transporte de passageiros intermunicipal e interestadual tanto de ônibus quanto de táxis. Apenas o transporte de carga está liberado.
O governador também anunciou que as forças de segurança juntamente com o Procon vão fiscalizar e fechar comércios não essenciais que estejam em funcionamento. E fez um apelo para todos fiquem em casa.

Com os 51 casos registrados de ontem para hoje, agora são 311 pessoas infectadas com o novo coronavírus. Mais de mil casos suspeitos estão sendo investigados

Todos os 51 novos casos são de moradores de Manaus. Nenhum caso novo foi registrado no interior. Outros 1.034 casos suspeitos aguardam resultados dos testes.

No caso de mortes por coronavírus, 12 estão confirmadas e outras três estão em investigação. O Amazonas tem 46 pacientes com Covid-19 internados nas UTIs.

Os novos números foram divulgados na tarde deste sábado (4/4) pelo governador Wilson Lima e pela presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-Am), Rosimary Pinto.

“Tudo que a gente tem feito tem sido com muita transparência. Nós estamos trabalhando para ampliar nossa capacidade de atendimento principalmente no Hospital Delphina Aziz. E aqui é importante deixar muito claro, das pessoas que morreram vítimas do Covid nenhuma delas ficou sem atendimento do Governo do Estado. Todo mundo que chegou com caso agravado de Covid-19 foi atendido pelo Governo do Estado do Amazonas e assim a gente tem trabalhado e feito todo esforço para garantir atendimento a nossa população”, disse, ao lamentar o uso político de informações falsas para causar pânico à população.

Os novos 400 leitos clínicos estão sendo preparados no hospital da Universidade Nilton Lins, no Parque das Laranjeiras, na zona centro-sul da cidade. Eles serão ocupados quando esgotada a capacidade de leitos clínicos no HPS Delphina Aziz.

A implantação de novos leitos de UTI depende da disponibilidade de respiradores, equipamento escasso em todo o mundo. Atualmente o Governo trabalha no reparo de respiradores que estavam sem uso em almoxarifados, com a ajuda da Universidade do Estado do Amazonas e outras instituições privadas. E também está adquirindo mais 33 respiradores em São Paulo.
 
“Estamos também tentando comprar respiradores na China. Nós tínhamos uma compra que já estava fechada em processo de finalização nos Estados Unidos, de 200 respiradores, e a nossa carga foi confiscada”, afirmou Wilson Lima ao reforçar que espera apoio do Governo Federal junto a outros países para viabilizar a compra de respiradores, sem os quais o risco de colapso no sistema de saúde do Amazonas e também de outros estados do país é alto.

“A situação que também nos preocupa é com o nosso pessoal da saúde, que está trabalhando quase que 24 horas por dia, sobretudo para conscientizar as pessoas do perigo que isso é. Estou muito preocupado e nos próximos dias, se a gente continuar com esse número de casos, o nosso sistema aqui no Estado do Amazonas pode sim chegar a um colapso”, frisou.

*Medidas restritivas* – Para conter o ritmo de crescimento de casos, o governador também anunciou que vai proibir o transporte de passageiros em rodovias estaduais e federais do Amazonas, assim como já proibiu o transporte hidroviário de passageiros. Wilson Lima disse que as forças de segurança intensificarão a fiscalização nas ruas, com a orientação de deter pessoas e fechar e multar estabelecimentos comerciais não essenciais que não estejam cumprindo com o decreto de distanciamento social, que proíbe a aglomeração de pessoas.

“Aqui no Amazonas nós fechamos as escolas e as aulas daqui estão sendo transmitidas através dos canais de TV aberta. Nós também fechamos os comércios e deixamos só aqueles de serviços essenciais. As embarcações estão proibidas de levar passageiros e nas próximas horas vou baixar um decreto para impedir também o transporte de passageiros em ônibus coletivos, táxis e lotação pelas nossas estradas federais e estaduais. Isso tudo porque a situação é muito grave e se as pessoas não ficarem em casa, se a gente não limitar o trânsito dessas pessoas, os casos vão chegar com uma rapidez muito maior e comprometer mais ainda o sistema de saúde”, disse o governador em entrevista para a CNN Brasil.

Nenhum comentário